Um toque nordestino em São João

Por Lauro Borges.

Cuscuz com carne de sol, queijo coalho e vinagrete. O prato é servido na telha. O cuscuz tem aquele toque molhadinho, cheio de sabor, que só a manteiga de garrafa proporciona. O queijo coalho é dourado na chapa e a carne de sol é produzida pela própria dona do lugar.

A dona é Gerlândia Barros e o lugar é o Café na Bodega. Uma bodega arretada de boa!

Gerlândia, acompanhando o marido Carlos Lima,saiu do Ceará aos 25 anos para morar —imaginem o choque térmico e cultural!— na Finlândia. A ideia era ficar 48 meses, mas a coisa deu tão certo —no doutorado e no trabalho— que eles ficaram quase 10 anos.

São João da Boa Vista entrou na vida do casal quando o engenheiro Carlos, dentro dos planos de retorno ao Brasil, passou num concurso público para lecionar no campus local da Unesp.

Desassossegada e cheia de memórias afetivas nordestinas, Gerlândia importou de Fortaleza o irmão João e, juntos, em abril de 2018, como sócios, abriram as portas do Café na Bodega.

Nessa caatinga da Mantiqueira tem a delícia narrada no primeiro parágrafo, tem tapiocas com vários recheios, tem baião de dois, tem bolo de mandioca, tem suco de cajá, tem chapéu de cangaceiro, tem literatura de cordel...

O angu é porreta, o preço não vai fazer você pedir penico e o atendimento é massa!

E onde fica esse lugarzinho pai d’égua para o cabra merendar? No sertão do Jaguari, na rua Campos Sales esquina com rua Dr. Teófilo Ribeiro de Andrade.

Vai lá, abestado!

#namantiqueira #cafenabodega

Café na Bodega

Fale Conosco

Curta nossa Página

© 2018 Na Mantiqueira.